Toyota C-HR será apresentado em Genebra

iG São Paulo

SUV compacto pode ser produzido no Brasil para brigar com Honda HR-V

Teaser do Toyota C-HR

Teaser do Toyota C-HR

Foto: Divulgação

De olho no crescimento do mercado de SUVs compactos, a Toyota se prepara para entrar no segmento com a versão de produção do C-HR. O jipinho será apresentado no Salão de Genebra (Suíça), que abre as portas no dia 1º de março e a marca adianta um pouco do veículo com uma imagem que mostra parte de suas linhas. A Toyota não confirma sua venda no Brasil, mas já está de olho no modelo e quer que o carro seja produzido por aqui, para fazer frente ao Honda HR-V e Jeep Renegade.

Saiba mais

C-HR é atração da Toyota em Frankfurt

Nova SW4 tem mudança radical e parte de R$ 205 mil

Hilux vira picape Corolla em nova geração

No primeiro momento, o C-HR será produzido apenas na Turquia, para abastecer o mercado europeu. É no SUV que a Toyota irá estrear a plataforma modular Toyota New Global Architecture (TNGA), com o objetivo de reduzir os custos de produção em até 20%.

As opções de motores devem ser 1.2, 2.0 e 2.5 turbo de quatro cilindros. O C-HR nasceu como um SUV híbrido e deve continuar assim na versão de produção. A marca ainda não confirma se o jipinho irá usar o mesmo sistema híbrido do Prius ou se apostará em uma tecnologia nova.

Conceito do Toyota C-HR

Conceito do Toyota C-HR

Foto: Divulgação

O design final vai perder um pouco da cara de conceito, principalmente na traseira, deixando de lado o caimento exagerado do teto. A empresa promete que o C-HR continuará a “combinar o visual de um cupê cinco portas com a cabine elevada no estilo SUV”.

Fiat Toro 1.8 flex: como anda a nova picape, rival da Duster Oroch

Carlos Guimarães

Com preço a partir de R$ 76.500, novo modelo tem o design arrojado entre as principais qualidades

Fiat Toro

Fiat Toro

Foto: Divulgaçãoo

Fiat Toro

Fiat Toro

Foto: Divulgaçãoo

Fiat Toro

Fiat Toro

Foto: Divulgaçãoo

Fiat Toro

Fiat Toro

Foto: Divulgaçãoo

Fiat Toro

Fiat Toro

Foto: Divulgaçãoo

Fiat Toro

Fiat Toro

Foto: Divulgaçãoo

Fiat Toro

Fiat Toro

Foto: Divulgaçãoo

Fiat Toro

Fiat Toro

Foto: Divulgaçãoo

Fiat Toro

Fiat Toro

Foto: Divulgaçãoo

A Fiat aposta alto na picape Toro e quer dar um “olé” na crise econômica que assola vários setores da economia, inclusive o automotivo. O carro começa a ser vendido nas lojas no próximo dia 27 a partir de R$ 76.500, preço sugerido da versão mais em conta Freedom 1.8 flex, com câmbio automático de seis marchas e tração dianteira, que a reportagem que iG Carros avaliou em um circuito urbano, na cidade de Campinas (SP).

A primeira impressão ao entrar no carro é positiva. O nível de acabamento fica acima da média dos modelos da Fiat e algumas soluções de design do interior são interessantes, como os puxadores das portas, perfeitamente instalados, dando um aspecto sofisticado e , ao mesmo tempo, contribuindo com a boa ergonomia. O motorista tem todas as regulagens necessárias para ajustar bem a posição de dirigir, mas o passageiro da frente fica um pouco mais alto que o ideal.

Saiba mais

Fiat lança picape Toro a partir de R$ 76.500

Renault Oroch, a picape que faltava

Fiat e Renault investem em picapes anabolizadas

O que também agrada é que, mesmo a versão básica Freedom, a picape vem bem equipada com itens como quadro de instrumentos personalizável de 3,5 polegadas em TFT (com relógio digital, calendário e indicador de temperatura externa), ESC (controle eletrônico de estabilidade), Hill Holder (auxiliar de partida em subidas) e rádio Connect com comando no volante, , direção elétrica, fixação Isofix para cadeira infantil, vidros e travas elétricas automáticas (fecham a 20 km/h), sensor de estacionamento traseiro e revestimento de caçamba, entre outros.

Porém, as rodas de liga-leve de aro 16 são opcionais (sim, de série, a Toro Freedom vem com calotas, fixadas por parafusos), assim como air bags laterais, de janela e de joelhos, sensor de pressão dos pneus até o teto solar, além de câmera de ré e estofamento parcialmente em couro.

Dada a partida, a picape parte em silêncio e mostrando que a suspensão foi bem acertada. Conseguiram aliar boa estabilidade nas curvas com conforto ao rodar, o que é percebido principalmente para quem estiver sentado nos bancos da frente. Atrás, o conjunto absorve menos as irregularidades do piso.

Nas manobras, o sistema de direção elétrica dá conta do recado, mas embora o carro tenha assistência de partida em rampa, o freio de estacionamento é mecânico, por alavanca, e não elétrico, como no Jeep Renegade, do qual a Toro é derivada. Por que? A Fiat diz que é simplesmente uma escolha mais adequada para uma picape. Mas, conforme apuramos, também existe uma questão de custo, já que para o freio ser elétrico, seria necessário instalar discos na traseira no lugar dos tambores.

No caminho que fizemos ao volante da Toro 1.8 flex automática, cheio de rotatórias e travessas, o motor mostrou certa falta de fôlego nas retomadas, apesar de ter recebido mudanças na comparação com o 1.8 do Renegade. Instalaram coletor de admissão multifásico, que ajuda a encher melhor os cilindros até 4.000 rpm. Com isso, a potência máxima passou para 139 cv com apenas etanol no tanque, mas o torque se manteve praticamente igual (19,3 kgfm ante 19,1 do Jeep , sempre a 3.750 rpm). Como a Toro 1.8 automática é 187 kg mais pesada que a versão correspondente do Renegade ( 1.619 kg ante 1.432 kg), a relação peso/toque ficou desfaforável à picape.

Para sair do quadrado, o pessoal de design da FCA (Fiat Chrysler Automobiles) resolveu adotar uma tampa de caçamba bipartida, aberta como se fosse uma porta de armário. Para levar objetos que não sejam largos pode parecer uma boa solução, já que fica bem mais cômodo do que encarar o peso da tampa de caçamba convencional. Mas se for levar algo que exige o máximo de largura da entrada do compartimento de carga, existe o risco de precisar erguer o objeto para colocá-lo na caçamba, já que as duas portas limitam o acesso . Se a ideia for levar bicicleta ou moto, apenas com o extensor de caçamba oferecido como acessório. Com ele, o volume de carga aumenta 405 litros.

A Fiat pretende vender em torno de 4 mil unidades por mês da Toro, o que dá, aproximadamente, 50 mil unidades por ano. Desse total, a marca acredita que 40% da procura será pelas versões flex e o restante das movidas a diesel. Confira abaixo todos os preços da Toro.

 – Fiat Toro Freedom 1.8 flex (câmbio automático de 6 marchas, 4×2): R$ 76.500
– Fiat Toro Openning Edition 1.8 flex (automático de 6 marchas, 4×2): R$ 84.400
– Fiat Toro Freedom 2.0 diesel (manual de 6 marchas, 4×2): R$ 93.900
– Fiat Toro Freedom 2.0 diesel (automático de 6 marchas, 4×4): R$ 101.900
– Fiat Toro Volcano 2.0 diesel (automático de 9 marchas, 4×4): R$ 116.500

Jaguar XF: aceleramos o novo sedã na pista

Carlos Guimarães

Lançamento com versão de 380 cv chega para acabar com conservadorismo dos principais concorrentes alemães

Chega de caretice no terreno dos sedãs médios-grandes de luxo. Quando dei de cara com aquele sedã bordô, com rodas pretas, parado na frente do hotel, já entendi que a Jaguar resolveu colocar toda sua tradicional irreverência em prática. Só de cor da carroceria a marca vai oferecer 18 opções. Por dentro, dá para combinar o couro de primeira linha com tecido Alcantara e até fibra de carbono do jeito que o freguês quiser. As combinações incluem branco com preto, vermelho com preto, tudo marrom, entre outras. 

Jaguar XF R Sport bordô,  antes de sair para o teste drive

Jaguar XF R Sport bordô, antes de sair para o teste drive

Foto: Carlos Guimarães/iG

Com essa pegada mais animada, os britânicos da Jaguar querem dar o pulo do gato e saltar para a primeira posição no ranking de vendas do segmento, do qual fazem parte Mercedes Classe E, BMW Série 5, Audi A6 e companhia. De acordo com o gerente de produto da fabricante inglesa no Brasil, Vinícius Frata, o XF detém atualmente 28% do mercado e tem potencial para crescer, já que o público que compra esse tipo de carro quer mesmo é “se dar um presente” e o lado emocional tem maior relevância na hora da escolha.

Pois bem, por falar em emoção, depois de ter assistido à apresentação do carro, o que eu queria mesmo é acelerar a versão S, com motor V6, sobrealimentado, de 380 cv, no belo traçado do Autódromo Velo Città, em Mogi-Guaçu (SP). Balaclava e capacete e lá estava me ajustando ao volante do sedã. As regulagens são todas elétricas, de maneira que é praticamente impossível não encontrar a posição ideal de dirigir. Aliás, o ambiente que lembra um modelo de competição é proposital.

Saiba mais

Jaguar lança seu primeiro SUV, o F-Pace

Jaguar XF muda de dentro para fora

Jaguar volta do mundo das peruas com a XF Sportbrake

Os bancos contam com largos ajustes laterais para segurar o corpo nas curvas. Na frente, o interior é dividido em dois pelo alto console central com vários comandos que permitem mudar as respostas do acelerador, a velocidade das trocas de marcha e o peso da direção com assistência elétrica. Assim como os assentos, o couro que reveste o volante tem um nível de qualidade digno da realeza britânica e vem com hastes para mudanças sequenciais do câmbio automático de oito velocidades. E para quem for sentado no banco traseiro, o novo XF conta com 6 centímetros a mais de entre-eixos, agora de 2,96 metros. De comprimento, o carro tem 4,95 m, por 1,88 m de largura com os retrovisores recolhidos.

O quadro de instrumentos tem mostradores que lembram bastante os do crossover Range Rover Evoque, mas a tela colorida entre eles é nova e fornece uma informações com precisão, inclusive as coordenadas do GPS. Entre outros itens, o sistema multimídia com tela sensível ao toque é um dos destaques. Funciona de modo intuitivo, fácil de ser operado, e em conjunto com o som de alta-fidelidade Meridian, com 380 watts de potência.

Aquele botão giratório do câmbio, que fica escondido com o carro desligado e aparece ao dar a partida, da primeira geração do XF, de 2007, foi mantido. E incluíram outros truques que parecem ter saído os filmes de James Bond, como o sistema que monitora as faixas da pista e move o volante sozinho por alguns instantes para o carro voltar à trajetória segura, caso o motorista tenha se descuidado por estar sonolento ou por causa de algum imprevisto.

Chega a hora de eu acelerar o Jaguar XF S na pista%2C de balaclava e capacete

Chega a hora de eu acelerar o Jaguar XF S na pista%2C de balaclava e capacete

Foto: Divulgação

Como se estivesse colocando Stairway to Heaven, do Led Zeppelin, para testar a eficiência das caixas de som, piso no acelerador e parto para a primeira das três voltas na pista a que tenho direito. O carro se comporta como a canção lançada em novembro de 1971 , de forma suave e traquila na volta de reconhecimento , transmitindo boa dose de conforto ajudado pela suspensão mutibraço das quatro rodas. Mas, assim como a voz aguda de Robert Plant e os acordes geniais da guitarra de braço duplo de Jimmy Page, a calmaria logo de transforma em um rock pesado.

O piloto sentado no banco do passageiro ajusta o sistema para o modo mais esportivo, me autoriza a pisar fundo e a adrenalina pulsa com o vai e vem do ponteiro do contagiros e o ronco grave do V6 saindo pela dupla saída de escape na traseira. A leveza da estrutura monobloco, 28% mais rígida que a do XF anterior, feita com 75% dos componentes de alumínio, 190 kg mais leve, ajuda na agilidade com que o sedã se movimenta na pista, entre tomadas, tangências e frenagens, moendo os pneus de aro 19 nas curvas.

Se chegar a passar do ponto, o sistema de vetorização de torque e toda a parafernália eletrônica tratam de corrigir a trajetória contanto que não se ultrapasse certos limites. Pisando fundo no acelerador, o novo XF S, com motor de 380 cv ( o mesmo do F-Type) é capaz de acelerar de 0 a 100 km/h em apenas 5,1 segundos, com máxima limitada eletrônicamente em 250 km/h.

Os preços começam em R$ 264.700 (XF Prestige), passam por R$ 288.600 (XF R Sport) e chegam a R$ 381.100 (XF S). A garantia do carro é de três anos, mas o cliente pode optar por 4 anos se pagar mais R$ 5.200 ou cinco anos, por R$ 10.800. A marca também oferece um seguro que custa R$ 6.655 por ano para um perfil padrão para pessoas ao redor dos 30 anos com bônus 3.

Ford mostra suspensão anti-buracos do Fusion

iG São Paulo

Tecnologia ajusta amortecedores para “segurar” roda e evitar danos ao atravessar uma rua acidentada

Ford Fusion V6 Sport

Ford Fusion V6 Sport

Foto: Divulgação

Buracos na via são um dos maiores vilões para a manutenção de um carro. A Ford quer virar o jogo com o desenvolvimento de uma nova tecnologia de amortecedor, a ser utilizada no Ford Fusion renovado – mais especificamente na versão V6 Sport.

Saiba mais

Ford faz recall dos modelos Powershift

Focus tem reajuste e fica até R$ 3 mil mais caro

Ford confirma novos Edge e Range no Brasil

São 12 sensores responsáveis por monitorar as condições da rua, transmitindo dados para os computadores, que ajusta o amortecedor a cada dois milissegundos. Quando um buraco é detectado, o sedã endurece a suspensão, impedindo que a roda entre demais no buraco, consequentemente, evitando danos ao sair do buraco. A suspensão traseira responde da mesma forma, aproveitando o sinal enviado pela roda dianteira.

Por enquanto, a tecnologia é exclusiva do Fusion V6 Sport, equipado com motor 2.7 EcoBoost biturbo, e que começa a ser vendido nos EUA na metade do ano. A Ford aproveita para cutucar os rivais, deixando claro que o Honda Accord e Toyota Camry não possuem um sistema parecido.

No Brasil, o Fusion renovado será apresentado apenas no segundo semestre, possivelmente durante o Salão do Automóvel de São Paulo, entre os dias 10 e 20 de novembro. A versão V6 Sport, por enquanto, está descartada.

Brasil e Argentina irão renegociar acordo automotivo em abril

iG São Paulo

Países buscam resolver diferenças para fortalecer indústria regional e conquistar outros mercados

Negociação para redefinir acordo automotivo será em abril

Negociação para redefinir acordo automotivo será em abril

Foto: Divulgação

Fonte: Agência Brasil

Os governos de Brasil e Argentina irão se encontrar em abril para renegociar o acordo automotivo entre os dois países. Segundo o ministro do Desenvolvimento, Industria e Comercio Exterior, Armando Monteiro, os dois países querem uma “plataforma industrial integrada” para tornar a indústria regional mais competitiva em relação aos outros blocos econômicos.

Saiba mais

Novo Cruze hatch aparece na Argentina

Com Macri, Brasil e Argentina tentam fazer as pazes na economia

Novo Cruze será produzido na Argentina

Monteiro se encontrou, em Buenos Aires, com o ministro da Produção da Argentina, Francisco Cabrera. A conversa teve como tema principal o acordo automotivo. O atual sistemas de cotas vence no dia 30 de junho e o governo argentino tem mostrado boa vontade para eliminar as diferenças entre as políticas de incentivo à indústria de ambos os países.

O acordo em vigor determina que, para cada US$ 1,5 em veículos e autopeças que o Brasil exporta para a Argentina, deve importar US$ 1 desses produtos do país vizinho. Além disso, existia a Declaração Antecipada de Importação (DJAI), que restringia as importações e, consequentemente, afetava os exportadores brasileiros. O DJAI foi eliminado pelo novo governo argentino, substituído por outras medidas que afeta muito menos os produtos brasileiros.

Apesar da vontade em construir um bom relacionamento comercial para o setor automotivo, um regime de livre comércio ainda vai demorar. “Eu imagino um horizonte inferior a cinco anos”, disse Monteiro. O ministro afirma que o acordo será vital para conquistar outros mercados. “Estamos negociando um acordo [de integração] com a União Europeia (UE)”, explica Monteiro. “Se não tivermos capacidade de construir uma plataforma nova e competitiva no setor automotivo, como vamos nos relacionar com os europeus?” A negociação entre Mercosul e os 28 países da UE avança rapidamente e a conversa para liberalizar o comércio entre os dois blocos pode começar esse semestre.

Novo Cruze faz 14 km/l em teste nos EUA

iG São Paulo

Sedã equipado com motor 1.4 turbo chega ao Brasil em novembro, durante o Salão do Automóvel de São Paulo

Chevrolet Cruze

Chevrolet Cruze

Foto: Divulgação

A nova geração do Chevrolet Cruze passou pelo teste da Fuel Economy, agência do governo dos EUA que realiza os testes oficiais de consumo de combustível. A versão de entrada, com motor 1.4 turbo e câmbio manual de seis marchas teve um rendimento de 12,3 km/l na cidade, 17,4 km/l na estrada e 14 km/l de consumo combinado.

Saiba mais

Chevrolet mostra a nova cara do Tracker

Testamos o novo Chevrolet Cobalt

Chevrolet Spin fica melhor com roupa aventureira

Os números melhoram na versão com transmissão automática de seis marchas, subindo para 12,7 km/l na cidade, 17,8 km/l na estrada e 14,8 km/l no combinado. A GM não revela dados de consumo de combustível e não participa do Programa Brasileiro de Etiquetagem Veícular (PBE), mas o motor 1.8 Ecotec rendia 12,3 km/l.

Nos EUA, a geração anterior do Cruze recebeu o mesmo motor 1.4 turbo na versão Limited. Com ele, o rendimento combinado é de 12,3 km/l, quando combinado com a transmissão manual de seis marchas, e 11,4 km/l com câmbio automático de seis.

Chevrolet Cruze Hatch

Chevrolet Cruze Hatch

Foto: Divulgação

Por aqui, o novo Cruze só aparece no fim do ano, com apresentação marcada para o Salão do Automóvel de São Paulo, entre os dias 10 e 20 de novembro. O local da produção ainda é incerto. A GM modernizou a fábrica em Rosário (Argentina) e as apostas são que o sedã virá importado do país vizinho. O Cruze Sport6, com carroceria hatchback, fica apenas para 2017.

Volkswagen eleva preços em até R$ 6,5 mil

iG São Paulo

Carros de entrada ficam R$ 200 mais caros, enquanto Touareg passa a custar R$ 340.690

Volkswagen Touareg R-Line

Volkswagen Touareg R-Line

Foto: Divulgação

Volkswagen aumenta os preços de quase toda sua linha no Brasil. Segundo o site da marca, Fox, Gol, Voyage e up! estão R$ 200 mais caros, enquanto o Touareg na configuração V8 FSI R-Line teve um aumento de R$ 6,5 mil.

Saiba mais

Volkswagen mostra frente do novo Gol

Volks faz recall de 54.179 unidades no Brasil

Volkswagen mostra teaser do interior do Gol

Os únicos modelos sem alteração nos preços são Golf (hatchback) e Jetta – ambos tiveram relançamentos em janeiro, com a chegada do Golf 1.6 MSI e Jetta 1.4 TSI. Já o Passat passa por seu segundo aumento de preço desde que chegou ao Brasil, em novembro de 2015.

Na próxima segunda feira, 22 de fevereiro, a Volkswagen irá apresentar a segundo reestilização do Gol e Voyage. A alteração nos preços deve ser mantida para o hatch e o sedã.

Confira a nova tabela de preços:

up!

  • take up! 2P – R$ 32.190 (anteriormente R$ 31.990)
  • take up! 4P – R$ 34.490 (R$ 34.290)
  • move up! 4P – R$ 42.190 (R$ 41.990)
  • move up! 4P I-Motion – R$ 44.490 (R$ 44.290)
  • move up! 4P TSI – R$ 46.090 (R$ 45.890)
  • high up! 4P – R$ 47.190 (R$ 46.990)
  • high up! 4P I-Motion – R$ 50.490 (R$ 50.290)
  • high up! 4P TSI – R$ 51.090 (R$ 50.690)
  • cross up! 4P – R$ 46.150 (R$ 45.890)
  • cross up! 4P I-Motion – R$ 49.450 (R$ 49.190)
  • cross up! 4P TSI – R$ 50.050 (R$ 49.590)

Gol

  • Gol Special 2p – R$ 32.390 (R$ 32.190)
  • Gol Trendline 1.6 – R$ 38.990 (R$ 38.750)
  • Gol Comfortline 1.0 – R$ 43.990 (R$ 43.750)
  • Gol Comfortline 1.6 – R$ 48.950 (R$ 48.650)
  • Gol Comfortline 1.6 i-Motion – R$ 52.250 (R$ 51.950)
  • Gol Highline 1.6 – R$ 53.450 (R$ 53.110)
  • Gol Highline 1.6 i-Motion – R$ 57.090 (R$ 56.750)
  • Gol Track 1.0 – R$ 41.450 (R$ 41.190)
  • Gol Rallye 1.6 – R$ 56.950 (R$ 56.660)
  • Gol Rallye 1.6 i-Motion – R$ 60.250 (R$ 59.900)

Voyage

  • Voyage Trendline 1.0 – R$ 41.990 (R$ 41.790)
  • Voyage Trendline 1.6 – R$ 46.690 (R$ 46.400)
  • Voyage Comfortline 1.0 – R$ 48.490 (R$ 48.190)
  • Voyage Comfortline 1.6 – R$ 52.990 (R$ 52.690)
  • Voyage Comfortline 1.6 i-Motion – R$ 56.290 (R$ 55.990)
  • Voyage Evidence 1.6 – R$ 58.290 (R$ 57.990)
  • Voyage Evidence 1.6 i-Motion – R$ 61.590 (R$ 61.290)

Saveiro

  • Saveiro Startline CS – R$ 42.390 (R$ 42.090)
  • Saveiro Trendline CS – R$ 46.090 (R$ 45.790)
  • Saveiro Trendline CE – R$ 50.490 (R$ 50.190)
  • Saveiro Trendline CD – R$ 55.990 (R$ 55.690)
  • Saveiro Cross CE – R$ 65.690 (R$ 65.290)
  • Saveiro Cross CD – R$ 70.390 (R$ 69.990)
  • Saveiro Highline CD – R$ 62.190 (R$ 61.790)

Fox

  • Fox Trendline 1.0 – R$ 45.150 (R$ 44.890)
  • Fox Trendline 1.6 – R$ 48.990 (R$ 48.690)
  • Fox Comfortline 1.0 – R$ 47.690 (R$ 47.390)
  • Fox Comfortline 1.6 –R$ 51.290 (R$ 50.990)
  • Fox Comfortline 1.6 I-Motion – R$ 54.390 (R$ 54.090)
  • Fox Highline 1.6 – R$ 56.990 (R$ 56.690)
  • Fox Highline 1.6 I-Motion – R$ 60.290 (R$ 59.990)
  • Fox Pepper 1.6 – R$ 57.490 (R$ 57.190)
  • Fox Pepper 1.6 I-Motion – R$ 60.790 (R$ 60.490)
  • Fox BlueMotion 1.0 – R$ 48.490 (R$ 48.190)
  • Fox Track 1.0 – R$ 46.490 (R$ 46.290)

CrossFox

  • CrossFox 1.6 – R$ 66.190 (R$ 65.890)
  • CrossFox 1.6 I-Motion – R$ 69.490 (R$ 69.090)

SpaceFox

  • SpaceFox Trendline 1.6 – R$ 61.290 (R$ 60.390)
  • SpaceFox Trendline 1.6 I-Motion – R$ 64.590 (R$ 63.640)
  • SpaceFox Comfortline 1.6 – R$ 65.290 (R$ 64.290)
  • SpaceFox Comfortline 1.6 I-Motion – R$ 68.590 (R$ 67.590)
  • SpaceFox Highline 1.6 – R$ 72.590 (R$ 74.690)
  • SpaceFox Highline 1.6 I-Motion – R$ 75.890 (R$ 74.990)

Space Cross

  • Space Cross 1.6 – R$ 77.590 (R$ 76.490)
  • Space Cross 1.6 I-Motion – R$ 80.890 (R$ 79.790)

Golf Variant

  • Golf Variant Comfortline 1.4 TSI – R$ 85.690 (R$ 85.190)
  • Golf Variant Comfortline 1.4 TSI DSG – R$ 92.690 (R$ 92.190)
  • Golf Variant Highline 1.4 TSI DSG – R$ 102.590 (R$ 101.990)

Tiguan

  • Tiguan 2.0 TSI DSG 4Motion – R$ 141.890 (R$ 140.490)

Passat

  • Passat Comfortline 2.0 TSI DSG – R$ 148.290 (R$ 147.390)
  • Passat Highline 2.0 TSI DSG – R$ 155.290 (R$ 154.390)

Touareg

  • Touareg V6 FSI – R$ 285.590 (R$ 280.090)
  • Touareg V8 FSI R-Line – R$ 340.690 (R$ 334.190)

Toyota prepara Corolla para enfrentar o novo Civic, em setembro

Carlos Guimarães

Uma das novidades que o sedã deverá receber é o controle eletrônico de estabilidade, pelo menos nas versões mais equipadas

Toyota Corolla Altis

Toyota Corolla Altis

Foto: Divulgação

A briga pela liderança de vendas entre Corolla e Civic logo vai esquentar, já que a Toyota já prepara uma série de mudanças no seu sedã médio para enfrentar a nova geração do Honda , prevista para chegar ao Brasil em setembro. De acordo com o que a reportagem de iG Carros apurou junto com executivos da Toyota, o Corolla receberá melhorias “para se adequar à realidade do segmento de sedãs médios”.

Saiba mais

Veja a evolução do Honda Civic

Corolla deixa a mesmice da lado

Todas as gerações do Toyota Corolla

A fabricante não quis adiantar quais serão essas “adequações”, mas, entre elas, deverá estar, finalmente, o controle eletrônico de estabilidade, presente em todos os principais rivais do Corolla no Brasil, pelo menos nas versões mais completas.O equipamento passará a ser obrigatório no País a partir de 2020 para modelos zero-quilômetro inéditos ou que passarem por grandes mudanças. E em 2022 para todo e qualquer carro novo que sair das linhas de montagens das fabricantes.

.Nossa reportagem insistiu sobre o que poderia ser mudado no sedã para encarar o Civic completamente novo que vem por aí, perguntando: “Talvez uma versão esportiva?” (como a Altis Esport, que existe na Tailândia). Mas o vice-presidente executivo de marketing, Miguel Fonseca, foi irredutível e não deu mais detalhes sobre o assunto, embora tenha ficado claro que o Corolla vai mesmo receber melhorias, que deverão ser apresentadas em breve, até o próximo Salão do Automóvel, em São Paulo, entre os dias 10 e 20 de novembro. 

O certo é que as novidades no Corolla serão positivas, mas restritas, apenas o suficiente para o carro ganhar um pouco mais de apelo e se manter na liderança de vendas, já que a larga margem de vantagem que o Corolla tem no ranking na comparação com os pricipais concorrentes é considerável. No ano passado, de acordo com números da Fenabrave (Federação dos Distribuidores de Veículos), o Toyota teve 67.339 unidades vendidas ante 31.241 do Civic e 12.529 do Nissan Sentra. E em janeiro último, o Corolla fechou com 4.243 unidades, bem na frente de Civic (1.561) e Sentra (595).

Volkswagen mostra frente do novo Gol

iG São Paulo

Teaser enfatiza o uso do DNA mundial de design da marca. Apresentação será dia 22 de fevereiro

Volkswagen Gol

Volkswagen Gol

Foto: Divulgação

A Volkswagen revela mais uma imagem do novo Gol. O hatchback será apresentado nos dias 22 e 23 de fevereiro, junto com o sedã Voyage. A foto mostra parte da frente do hatch, com foco no farol. A marca não confirma que o modelo é o Gol, mas as fotos divulgadas na semana passada mostram a silhueta do compacto.

Saiba mais

Volkswagen mostra teaser do interior do Gol

Volks faz recall de 54.179 unidades no Brasil

Entenda o escândalo da Volks em 5 perguntas

Segundo a fabricante,  Gol e Voyage terão um estilo inovador que “reforça o caráter, a força e a esportividade dos novos modelos, com elementos tridimensionais que valorizam as linhas e proporções”. O interior é muito parecido com o do Golf, com relógios maiores e a mesma central multimídia. O sistema utilizará recursos como Apple CarPlay, Android Auto e MirrorLink, que permitem espelhar a tela do celular. Essa tecnologia estrou no Fox 2016. A marca alemã acredita que o design interior será referência.

Teaser do interior da versão renovada do Volkswagen Gol

Teaser do interior da versão renovada do Volkswagen Gol

Foto: Divulgação

Não será a chegada da nova geração – ambos continuam na terceira. Trata-se de uma reestilização para os dois modelos, a segunda mudança visual desde o lançamento em 2008. A última alteração foi realizada em 2012, polêmica por deixar toda a linha Volkswagen com o mesmo design frontal.

Fora os retoques no desenho, a novidade será a adoção do motor 1.0 três cilindros de 82 cv do up! e Fox, aposentando o 1.0 TEC de quatro cilindros. O 1.6 continuará a ser oferecido na versão 8V, de 104 cv, e 16V, de 120 cv, com câmbio manual ou automatizado i-Motion. Confira no vídeo abaixo os detalhes do interior da dupla renovada (Gol e Voyage).

Próxima geração com plataforma MQB

Ainda de acordo com fontes ligadas à Volkswagen, a sexta geração do Gol pode ser construída a partir da plataforma modular MQB, que atualmente já serve 43 modelos do Grupo VW, como Golf e Audi A3. No entanto, o novo modelo deve ser lançado no mercado somente entre 2018 e 2019.